22
Mar 12

...mas importo-me

 

 

 

Posso não chorar... mas não deixa de doer. Posso não dizer... mas sinto. Posso não mostrar... mas importo-me.

Voz do Vento... {#emotions_dlg.sidemouth}
publicado por Voz do vento às 22:39 | comentar | favorito

AMAR a VIDA...

 

 

 

Não esperes elogios para acreditares em ti mesmo!!! Não esperes ser amado, para começares a amar... não esperes ficar sozinho, para reconhecer o valor de quem está ao teu lado, não esperes ficar de luto para veres quem HOJE é importante na tua vida... simplesmente VIVE e não esperes o dia da tua morte, para começares a AMAR a VIDA! 
Voz do Vento... {#emotions_dlg.star}

 

publicado por Voz do vento às 22:21 | comentar | ver comentários (1) | favorito

Aprender a ver ...

 

 

"Aprender a ver ,habituar os olhos à calma, à paciência, ao deixar que as coisas se aproximem de nós; aprender a adiar o juízo, a rodear e a abarcar o caso particular a partir de todos os lados. Este é o primeiro ensino preliminar para o espírito: não reagir imediatamente a um estímulo, mas sim controlar os instintos que põem obstáculos, que isolam. " Friedrich Nietzsche
Voz do Vento...
publicado por Voz do vento às 22:14 | comentar | favorito
22
Mar 12

Manual de Instruções de Adolescentes...

 

Na cabeça de um adolescente


David Bainbridge, professor e investigador, explica em entrevista como lidar com jovens nesta fase


Concorda que adolescentes e adultos são, até certo ponto, incompatíveis? Descubra o porquê e como superar os problemas que surgem.

Incompreendido. Esta é a palavra que parece definir o comportamento de um adolescente, que nunca se levanta a horas, pensa ser imortal e dá um sentido muito próprio ao termo irresponsabilidade.

Com três filhos, David Bainbridge, professor e investigador, quis «escrever um livro acerca de adolescentes que fosse positivo» e, por isso, voltou-se para a ciência. O autor considera que a adolescência é o pico da evolução humana e que os adolescentes são a razão de ser dos adultos, cuja função é cuidar dos primeiros.

Esta é também a oportunidade de percebermos o que se passa no corpo de um adolescente, a relação com o seu comportamento e aquilo que parece funcionar ou falhar no nosso relacionamento com os jovens.

 

Qual é a importância das experiências que adquirimos durante a adolescência para o nosso desenvolvimento?


Considero que são extremamente importantes. De acordo com a psicanálise clássica, a infância é uma fase central. Mas já não acreditamos nisso. Existem tantos comportamentos, complexos sociais, sexuais e românticos que ocorrem na adolescência… Pode ser muito difícil desaprendê-los quando somos adultos.

 

Em que diferem a mente e o raciocínio adolescentes da mente e raciocínio adultos?


O cérebro adolescente está a passar por uma reconstrução extraordinária para desenvolver a sua forma adulta. Mas muitos dos seus aspectos reflectem traços benéficos que estão invulgarmente bem desenvolvidos, como a criatividade, a abstração, a intensidade emocional, a capacidade de correr riscos. Adultos e adolescentes pensam realmente de forma diferente.

 

As hormonas são as únicas responsáveis pelo comportamento tipicamente adolescente?

A maioria dos nossos comportamentos é intrínseca ao cérebro e, por causa disso, as hormonas têm pouco efeito. De facto, cérebro e comportamento desenvolvem-se de forma independente da puberdade. Todos sabemos, por experiência própria, que a chegada da puberdade não afecta muito a maturidade mental.

Por que considera a diferença de maturidade entre os sexos a essência da adolescência?


Durante a adolescência, tudo acontece, em média, primeiro às raparigas e depois aos rapazes, nomeadamente a reestruturação do cérebro, o desenvolvimento social, mudanças hormonais físicas.

A fertilidade é a única excepção e isso deve-se provavelmente ao facto de a fertilidade masculina ser muito mais simples do que a feminina. Para onde quer que olhe, a adolescência actua de forma a que os rapazes e as raparigas sejam o mais diferentes possível.

 

Os pais devem ser completamente honestos com os adolescentes ou devem dizer algumas mentiras inocentes?


Penso que ajuda sempre ser honesto e, caso não tenham a certeza, dizer que não existem provas científicas para aquilo que estão a defender, apenas teorias com muitos factos que as apoiam.

 

Existe realmente uma falha de comunicação entre adultos e adolescentes ou há uma falta de vontade de comunicar?


Muitos dados demonstram que os adolescentes estão simplesmente mais interessados em falar entre eles do que com adultos. Além disso, os pais são especialmente afectados por este desinteresse porque distanciar-se psicologicamente dos progenitores é uma parte essencial do processo de crescimento. Estudos mostram que esse afastamento é essencial para o bem-estar psicológico posteriormente.

 

O que caracteriza a comunicação adolescente e qual o papel das novas tecnologias?


A comunicação adolescente é personalizada para públicos diferentes. Os adolescentes comunicam pouco com os seus pais, mas de forma muito articulada com outros adultos. No seio dos seus grupos sociais, empregam uma linguagem complexa que envolve piadas privadas, sarcasmo, códigos e jargão, concebida para excluir adultos, crianças e muitos outros adolescentes. A comunicação electrónica moderna simplesmente tornou o processo muito mais fácil.

 

Porque é que os adolescentes correm mais riscos e que papel tem esse comportamento no seu desenvolvimento?


Correr riscos é uma parte essencial da vida e poucas pessoas bem-sucedidas podem dizer que os seus sucessos não se deveram, em parte, a terem corrido riscos. Assim, adolescência é uma altura em que os adolescentes aprendem a correr riscos, descobrem as sensações que isso origina e o que podem ganhar ou perder com isso.

 

Os adolescentes precisam mesmo de dormir mais do que os adultos?


Mais talvez não, mas provavelmente a horas diferentes.

Do ponto de vista fisiológico, o sono dos adolescentes faz com que seja mais fácil ficar acordado até mais tarde sem se sentirem cansados, mas que seja mais difícil acordar de manhã. Existem várias teorias que explicam esta situação mas, por enquanto, não foram feitas experiências que as suportem.

 

A raiva e a sua exteriorização têm algum papel no desenvolvimento dos adolescentes?


Parte da reestruturação do cérebro adolescente envolve uma alteração temporária das conexões entre centros emocionais e centros mais analíticos. Os adolescentes podem parecer emocionalmente muito voláteis e a raiva pode surgir. Se tem uma função ou é apenas um efeito secundário da reestruturação do cérebro, não sabemos. Devemos lembrar-nos que ser adolescente é muito desafiante.

 

Questionar a autoridade faz parte do processo de crescer?


Desenvolver uma auto-imagem como pessoa autónoma e independente é muito importante e libertar-se de controlos externos é uma parte crucial desse processo. É uma extensão da rejeição dos pais de que falei anteriormente.

 

Os adolescentes são mais susceptíveis ao desenvolvimento de depressões e perturbações mentais?


A perturbação mental parece surgir durante a adolescência. A minha sugestão é que, antes da adolescência, o cérebro não é suficientemente complexo ou humano para padecer de todas as perturbações mentais que afectam a nossa espécie. As raparigas sofrem mais de depressão do que os rapazes e, novamente, suspeito que tal acontece por os seus cérebros se desenvolverem ligeiramente mais cedo.

 

Utiliza a expressão «tristeza adolescente». O que significa?


As emoções podem ser muito erráticas durante a adolescência o que, em si, pode explicar em grande parte a tristeza adolescente. Além disso, estes são os anos em que a auto-análise é muito prevalente e esta é uma competência muito importante para crescermos. Mas a
auto-análise pode exacerbar a tristeza. Este comportamento é perfeitamente normal e distinto de qualquer depressão clínica.

 

Como podem os pais ajudar o seu filho a ter uma boa auto-estima e a sentir que pode falar com adultos?


Estudos mostram que o melhor é demonstrar apoio emocional, independentemente da criança mostrar sinais de apreciar esse apoio.

Uma atmosfera familiar descontraída e de entreajuda é a melhor forma de os encorajar a falar, se eles quiserem fazê-lo.

 

Diz que a toxicodependência é um comportamento inerentemente adolescente. Porquê?


Os adolescentes consomem drogas pelas mesmas razões do que os adultos (divertimento, aborrecimento, vício, etc.) mas, para além disso, estão mais inclinados para correr riscos, procurar coisas novas e desobedecer à autoridade. Todos estes comportamentos são perfeitamente saudáveis e normais. As drogas modernas e potentes disponíveis hoje em dia é que são o problema.

 

Como podem os pais e a sociedade desencorajar os jovens de tomarem drogas?


Tal como na maioria dos casos, dando a conhecer as provas que existem sobre os malefícios das drogas e a frequência com que estes ocorrem, e discutir as razões pelas quais se acredita que os riscos de tomar drogas podem ser demasiado grandes. Simplesmente dizer não é uma abordagem notoriamente ineficaz.

 

O que caracteriza o comportamento sexual adolescente?


Os anos da adolescência são os anos em que os humanos evoluíram para começar a ter relações sexuais (e, presumivelmente, começar a ter filhos também). São também os anos em que aprendemos a ter confiança, felicidade e preferências sexuais. As relações românticas e sexuais podem ser extremamente intensas nesta altura.

 

Que conselhos daria aos pais para abordar a questão do sexo?


Em primeiro lugar, é improvável que as relações sexuais consensuais que ocorrem numa relação de amor descontraída causem algum tipo de problemas. Antes pelo contrário. Em segundo lugar, devia dizer-se aos adolescentes que, se eles usarem preservativo, podem esquecer as coisas terríveis com que os adultos tentam assustá-los (doenças sexualmente transmissíveis, gravidez, entre outras) e aproveitar as coisas boas! É importante que os adolescentes aprendam que as relações sexuais são supostamente agradáveis e não assustadoras.

 

Qual é a importância das amizades para um adolescente e como evitar que tenha más companhias?


As amizades são muito úteis para desenvolver relações sociais normais e estabelecer o seu lugar no mundo.

Quanto a influências negativas, os adolescentes são inerentemente desconfiados em relação ao que os adultos dizem.

Por isso, é muito mais provável que uma afirmação breve e suave dos pais, que exprima a sua opinião, seja mais eficaz do que estar constantemente a falar no assunto ou a fazer ameaças.

 

Texto: Julie Oliveira

 

 

imagem

REVISTA
SABER VIVER

 

em partilha por Voz do Vento...

publicado por Voz do vento às 20:50 | comentar | favorito